Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

VILLA 31: DE FAVELA A NOVO BAIRRO DE BUENOS AIRES

Mäyjo, 12.07.17

Villa 31

A Villa 31 é a favela mais antiga e famosa de Buenos Aires, que não só não desaparece como também continua a crescer em pleno coração da capital argentina. Vivem aqui mais de 40.000 pessoas, o dobro do que há 15 anos.

 

Este bairro da lata, que deve as suas origens à crise de 1930, está separado pelas linhas de comboio do bairro mais caro de Buenos Aires – a Recoleta. O contraste é brutal. De um lado, ruas de terra batida, um emaranhado de fios eléctricos, e labirinto de construções amontoadas em construções de tijolos que chegam aos quatro, cinco andares, casas ilegais, sem alvará, nas quais ninguém paga pela luz nem pela água. Do outro, lojas de design, cafés e prédios luxuosos estilo parisiense.

Ignorada pelas autoridades durante décadas, a Villa 31 está prestes a ser sujeita a um plano de urbanização no valor de 400 milhões de dólares, que deverá ser concluído em 2019. O objectivo é desenvolver habitação, sistema eléctrico e sistema de esgotos, pavimentação das vias, sistema de recolha de lixo e construção de áreas de lazer (entre elas a reconversão da via rápida que atravessa o bairro num grande espaço verde inspirado no projecto da High Line em Nova Iorque).

Na Villa 31, onde quase metade da população são imigrantes de Peru, Paraguai e Bolívia, apenas 27% dos jovens tem ensino médio completo, bem abaixo dos 80% para todas as Buenos Aires, pelo que uma das prioridades das autoridades locais também é reduzir a taxa de desemprego de quase 50% e quase inexistência de serviços públicos, como escolas.

O governo da cidade já anunciou, aliás, que vai levar para a Villa 31 todos os seus serviços educativos, assim como 1.500 funcionários públicos, uma forma de integrar a cidade e a favela, que passará a chamar-se Barrio 31. 

Numa cidade onde 8% da população vive em guetos como este, o município pretende “regularizar o que era informal”, disse à agência France Presse Diego Fernandez, responsável pela Integração Social e Desenvolvimento Urbano de Buenos Aires. “Vamos tentar transformar este bairro quase numa cidade europeia, com casas baixas e ruas estreitas. Queremos fazer com que as pessoas da cidade venham para cá. O bairro tem muito valor, existem legumes aqui que não se encontram em qualquer outro lugar da cidade, aqui vende-se de tudo”.

Comprovando a transformação em curso, o BID-Banco Interamericano de Desenvolvimento (um dos financiadores do projecto) vai abrir aqui o seu escritório argentino num prédio construído por trabalhadores locais e a McDonald’s também já confirmou que planeia abrir um restaurante no bairro 31.

Foto: Creative Commons

 

CASAS ECOLÓGICAS PARA ABRIGAR QUEM NÃO TEM CASA

Mäyjo, 09.07.17

01.overzicht.highres.web_

Skaeve Huse

 

 

Fotos: Studio Elmo Vemijs

 

ARTISTA TRANSFORMA LIXO DE RUA EM CASAS MÓVEIS PARA SEM ABRIGO

Mäyjo, 03.03.17

artista_1

Gregory Kloehn dedica grande parte do seu dia a remexer no lixo, como tantos outros fazem, infelizmente, todos os dias. Contudo, este este norte-americano não o faz por necessidade básica. Kloehn é artista e procura no lixo a matéria prima para construir casas móveis para os sem abrigo.

 

O artista selecciona os materiais recicláveis para as pequenas criações arquitectónicas, que custam menos de €73 (R$ 220) cada. Para tal, ele escolheu um ponto conhecido de despejo ilegal de resíduos sólidos, em Oakland, Califórnia, para trabalhar.

Depois de realizar a recolha, Kloehn projeta os abrigos com materiais disponíveis. Segundo o artista, cada estrutura é única, sendo os únicos pontos comuns o tamanho reduzido, as rodas – para que a casa possa ser empurrada com facilidade – e o telhado inclinado, para não acumular a água da chuva.

Como pode ver na nossa galeria, criatividade é o que não falta a Kloehn: desde paletes a tampas de máquinas de lavar e portas de frigoríficos, todos os materiais sem uso actual são boas matérias primas.

 

E se deixar de mexer no telemóvel desse água?

Mäyjo, 04.02.16

 

Ficar dez minutos sem mexer no telemóvel dá um dia de água potável a crianças carenciadasA Unicef, há quase 2 anos, teve uma iniciativa , chamada Tap Project. Pediu a todos os utilizadores de iPhone para deixarem o seu smartphone parado, em cima de uma superfície rígida, durante dez minutos. Se o conseguissem fazer, o desafiado conquistava um dia de água potável para uma criança que não tinha acesso a este recurso.

A campanha pode parecer artificial, mas a Unicef dizia que ela ajudaria algumas das 768 milhões de pessoas do mundo, que ainda não possuem acesso a água potável, a garantir este recurso básico.

O smartphone tinha de estar ligado no site da campanha e o utilizador deveria carregar no start. A cada dez minutos sem mexer no aparelho, os patrocinadores da Unicef garantiam que uma criança teia acesso a água potável.

A cada desafio cumprido, eles comprometiam-se a doar a quantia necessária para fornecer água para uma criança necessitada.

A ideia é consciencializar as pessoas para o problema da falta do recurso no mundo – e para a importância em economizá-lo – ao tirar destas algo que realmente elas dão importância, o telemóvel – neste caso o iPhone, uma vez que o jogo não funciona com nenhum outro smartphone. É que o site da campanha lê os sensores, precisamente, do iPhone, pelo que se o utilizador mexer nele, ele recebe essa informação.

O recorde do Tap Project é de mais de 275 horas sem mexer no aparelho, o que significa que este utilizador já garantiu um dia de água para 1.650 crianças necessitadas.

Ainda que seja por uma boa causa, este projecto acaba por deixar uma sensação estranha no ar. Não haverá uma forma mais simples – e quiçá menos interesseira – de ajudar quem não tem acesso a água potável?

Foto:  DFAT photo library / Creative Commons

 

MARCA DR.BRONNER’S E KIVA LANÇAM NOVA CAMPANHA PARA FINANCIAR MICROCRÉDITO A AGRICULTORES

Mäyjo, 13.07.15

oleo palma_SAPO

A Dr. Bonner’s, empresa familiar responsável pelo sabão natural mais vendido da América do Norte, juntou-se à Kiva para financiar microcrédito a agricultores da Serendipalm, empresa do Gana que é a principal fornecedora de óleo de palma biológico e de comércio justo no mundo.

“Os agricultores da Serendipalm estão a mostrar ao mundo que o óleo de palma pode ser produzido de forma sustentável, sem destruir florestas, sem destruir habitats de espécies em perigo ou atropelar os direitos à terra das populações nativas”, o presidente da Dr. Bronner’s. “Através da expansão do nosso programa de empréstimos seedling, esperamos ajudar os agricultores da Serendipalm a aumentar a sua produção e os seus rendimentos – contribuindo em última análise para uma melhor qualidade de vida através do modelo de comércio justo”, disse David Bronner, presidente da empresa.

A campanha chama-se Seedlings for Small Farmers, decorre desde 23 de Abril e levará a Kiva a conceder empréstimos com 0% de juros aos pequenos agricultores da Serendipalm, para que estes possam adquirir variedades de mudas – plantas jovens – de palmeiras-de-óleo mais produtivas e expandir a sua área de cultivo. A Dr. Bronner’s compromete-se a igualar o montante de cada financiamento angariado pela Kiva, duplicando assim o financiamento disponível para os agricultores.

Apesar de a Serendipalm ter já anteriormente disponibilizado empréstimos aos agricultores, explica a Dr. Bronner’s em comunicado, a parceria com a Kiva permitirá uma expansão significativa do programa. As mudas adquiridas e plantadas hoje resultarão numa fonte de rendimento de longo prazo e segura para os agricultores durante décadas.

O fruto da palmeira-de-óleo biológica produzido pelos agricultores que beneficiem deste programa será vendido à Serendipalm que, por seu lado, produz óleo de palma biológico e de comércio justo e apoia a comunidade local através do Fair Trade Fund. Este fundo é o principal veículo para apoiar projectos de desenvolvimento da comunidade local e é financiado pelas vendas da Serendipalm a clientes como a Dr. Bronner’s e outras marcas que partilham os mesmos ideais.

A Kiva é a maior plataforma mundial de financiamento colectivo para o bem social. A Serendipalm foi fundada em 2007, quando a Dr. Bronner’s se comprometeu a obter todas as suas principais matérias-primas de fontes certificadas biológicas e de comércio justo, trabalhando exclusivamente com pequenos agricultores.

Foto: shankar s. / Creative Commons